Home » » Depois Que Eu Conheci o Mandela

Depois Que Eu Conheci o Mandela

Redação Por Duran | 12/06/2017

Acredito que o normal é que todo jovem nerd (juro que o merchan foi sem querer) não goste de funk, chegando a passar vergonha em sua infância/adolescência, curtindo páginas como Rock Wins e se achando superior do que quem gosta de funk. A verdade é que isso a coisa mais zoada que a gente cria em nossa mente e por isso essa vai ser uma postagem em um blog nerd falando sobre esse estilo musical que é incrivelmente popular no Brasil.

MC Nandinho e MC Nego Bam que cantam Malandramente.
Primeiramente eu vou deixar claro que músicas (funk ou não) que fazem apologia ao crime ainda são condenáveis. Também gostaria de deixar claro, para qualquer um que ainda tenha essa mentalidade e por um acaso tenha parado aqui, que gostar um não de funk ou qualquer outro estilo musical não te torna melhor e nem pior do que ninguém, porque as pessoas são muito mais do que elas escutam. Se tiverem isso em mente, o resto é tranquilo e favorável.

A crítica inicial relacionada a funk é que as músicas falam de sexo e que muitas vezes menores de idade estão expostos a isso. Bom, as pessoas talvez fiquem chocadas com essa notícia, mas sexo é uma realidade e está presente em vários lugares, seja na novela da globo, na série estrangeira, nos jogos (eu sei o que você fazia no GTA:SA pirata do Playstation 2) e principalmente na internet, que atire a primeira pedra quem nunca marcou ter mais de 18 anos antes mesmo de ter.

Uma das grandes vantagens de ouvir funk é que você se torna uma pessoa mais sociável. Mais da metade das festas que existem no Brasil tocam funk e vai ser muito mais deleitável estar em uma se você não tiver preconceito com o que está tocando. Além disso a vida fica mais divertida, antes quando eu ouvia uma música que eu gosto, eu somente cantava na minha mente, com o funk eu olho para um amigo meu e já começo a cantar junto e a gente começa a rir depois.

É o Delano, caralho!
E um ponto extremamente importante, que eu não poderia deixar de fora dessa postagem: Não foi a Anitta, não foi a Valeska, não foi a Tati Quebra-Barraco e nem nenhuma outra funkeira que estragou o meu Mortal Kombat X dublando um personagem sem saber fazer isso e esse ponto já é o suficiente para não achar que ser rockeiro é ser superior.

Eu foco no funk durante a postagem porque é um estilo musical que passa por um preconceito que não vemos com os outros, mas obviamente quanto mais estilos musicais você curtir, maior é o leque de músicas que vão te divertir e tornar sua vida melhor. Além disso, é totalmente liberado não gostar de um estilo musical, independente de qualquer coisa eu não consigo gostar de samba, mas sei que é um estilo tão bom quanto qualquer outro, só não é o que eu gosto.

SHARE