Borboleta Azul

Redação Por Duran | 22/05/2017

Na física existe uma lei (terceira lei de Newton) que diz que toda ação tem uma reação oposta e de igual intensidade. Outro aspecto interessante da física é o efeito borboleta, uma parte da teoria do caos, que é ilustrada pela ideia de que o bater das asas de uma borboleta pode causar um tufão do outro lado do planeta.

Cena do jogo Life is Strange.
Um dos primeiros textos que fiz para o Pausa Pro Intervalo no Facebook, antes mesmo de existir um blog, foi sobre a troca equivalente, um conceito apresentado no mangá/anime Fullmetal Alchemist, onde os personagens conseguem fazer o objeto que desejarem, mas não podem criar nada a partir do zero, eles precisam do material para tal. Assim como os conceitos da física, a lei da troca equivalente era algo científico, até que alguém levanta a ideia de que ela não serve somente para a alquimia e sim para tudo na vida, que se você quer que algo de bom aconteça, você precisa plantar isso. Esse foi o primeiro contato que me lembro com o conceito de que minhas ações podem mudar completamente minha vida.

Com o tempo, fui descobrindo outras obras que mostravam a importância que as ações tomadas poderiam ter no futuro, algumas delas com retornos ao passado e apresentando uma peculiar borboleta azul. Efeito Borboleta, um filme protagonizado por Ashton Kutcher, mostra o personagem principal descobrindo que pode viajar no tempo através de fotografias e modificar o ocorrido, assim mudando a sua realidade. Com o tempo, os esforços de Evan Treborn (Ashton Kutcher) para criar a vida perfeita para os que estão ao seu redor se mostram ineficazes e isso ensina que é impossível ter tudo.

Para os gamers eu cito o jogo Life is Strange, onde a protagonista, Max Caulfield, descobre que tem o poder de voltar no tempo quando vê sua amiga de infância, Chloe Price, sendo baleada e morta no banheiro do colégio. As decisões tomadas durante o jogo quase sempre possuem uma consequência a curto e a longo prazo, te deixando tentar todos os diálogos e ações possíveis (podendo voltar um curto período de tempo). Porém (SPOILER!) o final do jogo coloca uma decisão enorme nas mãos de Max (consequentemente nas do jogador), que assim como em Efeito Borboleta mostra que não podemos ter tudo, o diferencial é que Life is Strange também mostra que cedo ou tarde você terá que encarar as consequências de suas escolhas.

Por fim, preciso falar do anime Boku dake ga Inai Machi (Erased), que tem um papel muito importante neste texto. No anime acompanhamos a vida de Fujinuma Satoru, um cara que volta involuntariamente no tempo, sempre tendo a chance de evitar uma tragédia. O ponto alto da história começa no dia que invés de voltar minutos no tempo, Satoru voltou 18 anos, para quando tinha 10 anos. Em sua infância ele revê Hinazuki Kayo, uma menina que ele mal conhecia, mas que vivia sozinha, até que foi sequestrada e morta (por um criminoso que nunca foi encontrado) em uma época próxima daqueça. Satoru decide fazer de tudo para evitar o triste destino de Kayo (e posteriormente de outras crianças) e no corpo de uma criança, tudo que ele consegue fazer é estar lá para ela, evitando que ela esteja sempre sozinha e seja um alvo fácil. Só posso dizer que o conceito do anime, apesar de triste em vários momentos, é lindo.

Imagem do anime Boku dake ga Inai Machi.
O bonito de todas essas obras é mostrar que todas as nossas ações fazem a diferença, em especial Erased, que mostra que nossas ações, por mais que inicialmente pareçam pouca coisa, podem estar salvando uma vida. Pode ser que um bom dia, um te amo ou um simples abraço faça uma diferença enorme na vida de alguém, podem parecer coisas banais, mas podem ser tudo que uma pessoa precisa em determinado momento. Suas ações podem mudar sua vida e a de muitos ao seu redor, suas ações podem salvar vidas, suas ações podem ajudar a mudar o país e o mundo, então apesar de vez ou outra falarem que você é só poeira no universo, que você não importa, saiba que estão errado. O universo talvez nem te note, mas você é capaz de mudar a sua visão do universo e a de terceiros.
SHARE